domingo, 13 de janeiro de 2013

Obesidade Mórbida

Vocês sabem o que é a obesidade mórbida?

 Hoje em dias as pessoas andam engordando muito, se alimentando de maneira incorreta, fazendo menos exercícios físicos e vivendo de maneira stressante onde a vida é controlada pelo relógio. 

 A obesidade mórbida é quando uma pessoa ultrapassa o valor de 40 no IMC (Índice de Massa Corporal). Quando se obtém um aumento de 20% ou mais do peso corporal ideal, significa que o excesso de peso tornou-se um risco para a sua saúde.

 Os riscos à saúde em pacientes obesos são: 

* Desenvolver Diabetes tipo II; 
* Problemas cardíacos; 
* Doença Arterial, podendo desencadear em doença arterial coronariana, infarto agudo do miocárdio ou acidente vascular encefálico;
* Trombose venosa, com isquemia e necrose principalmente nas regiões como pés; 
* Hipertensão arterial; 
* Problemas articulares; 
* Depressão. 

A fórmula para calcular o Índice de Massa Corporal é: IMC = peso / (altura)². 

Classificação                                    Valores no IMC 

Sobrepeso                                                   25,0 - 29,9 
Obesidade Grau I                                        30,0 - 34,9 
Obesidade Grau II (severa)                         35,0 - 39,9 
Obesidade Grau III (mórbida)                      40,0 e acima 


 Causas da Doença 

- Estilo de vida: Um estilo de vida mais sedentário contribui para o aumento de peso, mesmo o organismo não tendo relação à obesidade, stress e sono insificente. 

- Genética: Condições genéticas como Síndrome de Prader-Willi, Síndrome de Barder-Biedl, Síndrome de Momo, mutações dos receptores de leptina (controle do apetite) e melanocortina (produção de pigmento da pele), podendo até mesmo haver interação entre diversos genes. 

- Doenças: Hipotireoidismo, Síndrome de Cushing, Deficiência do hormônio do crescimento, diabetes, disfunções alimentares como bulimia nervosa. 

- Bactérias: As bactérias que favorecem a digestão também podem fazer o corpo acumular quilos a mais, caso estejam desequilibradas. Em excesso, essas bactérias podem alterar o metabolismo e o apetite. 


Tratamento

O principal tratamento para a obesidade é a redução da gordura corporal por meio de dietas e aumento de exercícios físicos.

As pessoas que seguem um planejamento, conseguem perder aproximadamente 8% da massa total. Porém o difícil é manter o peso reduzido.

Em uma pesquisa, constatou-se que entre 85 e 95% dos que perderam 10% ou mais de massa corporal, recuperaram todo o peso perdido entre 2 e 5 anos.




Recomentações para tratamento clínico da Obesidade

  1. Pessoas com IMC acima de 30 devem ser iniciadas num programa de dieta de redução calórica, exercício e outras intervenções comportamentais e estabelecer objetivos realístas de perda de peso.
  2.  Se os objetivos não forem alcançados, terapia farmacêutica pode ser oferecida. O paciente deve ser informado da possibilidade de efeitos colaterais e da inexistência de dados sobre a segurança e eficácia de tais medicamentos no longo prazo.
  3. Terapia farmacêutica pode incluir sibutramina, orlistat, fentermina, dietilpropiona, fluoxetina e bupropiona. Para casos mais severos de obesidade, medicamentos mais fortes como anfetaminas e metanfetaminas podem ser usadas seletivamente (somente após consulta prévia ao seu medico responsável).
  4. Pacientes com IMC acima de 40 que não alcançam seus objetivos de perda de peso (com ou sem medicamentos) e que desenvolvem outras condições derivadas da obesidade, podem receber indicação para realizarem cirurgia bariátrica. O paciente deve ser informado dos riscos e potenciais complicações.
  5. Nesses casos, a cirurgia deve ser realizada em centros que realizam grande número desses procedimentos já que as evidências indicam que pacientes de cirurgiões que os realizam com frequência tendem a ter menos complicações no pós-cirúrgico.

O que vocês acharam da matéria? Comentem.

Nenhum comentário:

Postar um comentário