quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Lifting 3D: A nova maneira de tratar a pele inclusive no verão

Não se trata de cirurgia plástica. Nem de métodos experimentais. A chamada técnica 3D, que os especialistas não abrem mão atualmente, utiliza dois produtos consagrados na dermatologia: o ácido hialurônico e a toxina botulínica.

Juntas, essas duas substâncias são capazes de preencher rugas estáticas (ácido hialurônico, como o Restylane), rugas de expressão (toxina botulínica) e volume (ácido hialurônico). "A ideia do tratamento 3D, é relaxar a musculatura com a toxina, amenizando assim as marcas de expressão e preencher com o Restylane, para modelar o rosto e deixá-lo com mais volume", diz a dermatologista Luciana Lourenço. "Para completar o tratamento, é interessante a aplicação do Restylane® Skinboosters™, que hidrata a pele de dentro para fora, repondo o ácido hialurônico perdido ao longo dos anos e estimulando o colágeno", afirma.


Os produtos são aplicados numa mesma sessão e a quantidade a ser colocada, bem como onde exatamente aplicar, depende da avaliação do dermatologista. Mas, em geral, o Restylane é aplicado em áreas que costumam ser "puxadas" para baixo devido à perda de musculatura como maçãs do rosto, região embaixo dos olhos (onde aparecem as olheiras), áreas ao redor do nariz (bigode chinês) e lábios. A toxina é aplicada na testa, região dos olhos (pés de galinha) e também no pescoço.

"A associação dessas técnicas numa mesma sessão trata o conjunto de músculos e promove um verdadeiro lifting facial, por isso o resultado é em três dimensões", diz a especialista. Luciana Lourenço afirma ainda que o método pode ser usado em pacientes a partir dos 30, 35 anos, época em que a perda de volume começa a dar sinais.

O interessante também é que há um efeito preventivo porque o Restylane (ácido hialurônico) há um estímulo na produção de colágeno. Em outras palavras, a pele fica melhor a cada aplicação. O recomendado é fazer um Lifting 3D uma vez por ano.


Nenhum comentário:

Postar um comentário